Quarta, 21 de Abril de 2021 02:22
(86) 99911-8355
Esportes Coronavírus

Medicamentos para entubar pacientes devem acabar em 20 dias no Brasil

Caso isso ocorra, um novo gargalo, insuperável, será colocado na luta já dramática contra a Covid-19.

19/03/2021 00h21
Por: Ronaldo Mota Fonte: Meio Norte
Medicamentos para entubar pacientes devem acabar em 20 dias no Brasil

O estoque de analgésicos, sedativos e bloqueadores musculares usados para a intubação de pacientes em UTIs pode durar apenas mais 20 dias no Brasil –o que criaria um drama adicional para os hospitais: como socorrer os doentes se acabarem os medicamentos.

Caso isso ocorra, um novo gargalo, insuperável, será colocado na luta já dramática contra a Covid-19: mesmo com a abertura de leitos de UTIs, o treinamento de profissionais de saúde e o suprimento de oxigênio, os médicos não vão poder tratar dos pacientes pois será impossível intubá-los.

A consequência será um crescimento ainda maior dos óbitos, pois as pessoas morrerão sufocadas sem que os profissionais possam garantir a elas a ventilação mecânica.

A situação se agravou de tal forma nas últimas horas que associações que representam intensivistas, hospitais e operadoras de saúde vão se reunir com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para discutir soluções urgentes para o problema.

A informação de que os estoques estão no limite é do presidente da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge), Reinaldo Scheibe. "O número de internações aumentou, a permanência dos doentes nas UTIs também, e o consumo dos medicamentos explodiu", diz ele. "Os estoques podem acabar em 20 dias", completa.

A Abramge representa operadoras de planos de saúde e seguradoras, que trabalham com hospitais próprios ou credenciados. "Os relatos se repetem em todo o país", afirma Reinaldo Scheibe.

Médicos que trabalham em UTIs de São Paulo fizeram o mesmo relato à coluna, sob a condição de anonimato. Um deles afirmou que está vivendo momentos "infernais", que a curva de internações só cresce na instituição em que trabalha e que já está "começando a faltar insumos" para tratar de doentes em estado grave.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.